Centro de Diagnóstico Ultrassonográfico Especializado em Imagem da Mulher
Centro de Referência no Diagnóstico de Endometriose Profunda

Rua Casa do Ator, 1.117, cj. 72 - V. Olimpia - 04546-004 - São Paulo - SP
E-mail: recepcao@chamie.com.br
Tel.: (11) 3841-9570 / 3842-0807 / 9.8914-5454

Ultrassonografia Translabial do Assoalho Pélvico 3D/4D

Ultrassonografia Translabial do Assoalho Pélvico 3D/4D

A ultrassonografia translabial (USTL) 3D/4D é uma nova ferramenta para o estudo das  patologias do assoalho pélvico, tais como a incontinência urinária e os prolapsos dos órgãos pélvicos, de forma não invasiva, dinâmica e em tempo real, sem o uso de meios de contraste ou radiação ionizante.

O exame é realizado com a paciente em posição ginecológica, após um simples preparo intestinal, com as pernas semi-abduzidas, após o esvaziamento da bexiga. Utilizando-se equipamento ultrassonográfico de última geração, são obtidas imagens através da via translabial (transdutor posicionado entre os lábios vaginais) e complementadas por via transvaginal. O algoritmo de exame inclui a aquisição de imagens em repouso e dinâmicas em 4D, durante a contração da musculatura pélvica e o esforço abdominal (manobra de Valsalva), com varreduras tridimensionais que geram imagens nos três planos ortogonais. Através deste método é possível avaliar a anatomia da pelve feminina incluindo a uretra, o colo vesical, a vagina, o reto e o músculo elevador do ânus. 

As lesões do músculo elevador do ânus, como por exemplo as roturas ou lacerações decorrentes de traumas durante o parto vaginal, podem ser estudadas através do emprego de cortes tomográficos de fina espessura nas imagens adquiridas durante a fase de contração. Tais recursos adicionam maior precisão e sensibilidade ao método, bem como sua reprodutibilidade e padronização.

As principais indicações da USTL 3D/4D são: (1) avaliação da mobilidade do colo vesical e da hipermobilidade uretral; (2) avaliação pós-operatória das faixas de TVT; (3) avaliação dinâmica do assoalho pélvico para pesquisa de prolapsos dos órgãos pélvicos; (4) pesquisa das lacerações do músculo elevador do ânus.

A complementação por via transvaginal tem por objetivo a pesquisa de alterações no esfíncter interno do ânus, bem como uma avaliação geral da pelve feminina.

A USTL possibilita uma avaliação global dos três compartimentos pélvicos, anterior (bexiga e uretra), médio (útero e vagina) e posterior (junção anorretal) em apenas um só exame, de forma rápida e interativa.