Centro de Diagnóstico Ultrassonográfico Especializado em Imagem da Mulher
Centro de Referência no Diagnóstico de Endometriose Profunda

Rua Casa do Ator, 1.117, cj. 72 - V. Olimpia - 04546-004 - São Paulo - SP
E-mail: recepcao@chamie.com.br
Tel.: (11) 3841-9570 / 3842-0807 / 9.8914-5454

Pólipos Endometriais

Pólipos Endometriais

Pólipos endometriais são formações nodulares ou projeções da mucosa do endométrio (tecido que reveste internamente o útero), geralmente benignos, nutridos por um eixo vascular e sensíveis ao estímulo do hormônio estrogênio. Eles podem ser únicos ou múltiplos sendo mais frequentes em mulheres entre 40 e 50 anos de idade. Suas dimensões são variáveis, sendo a localização mais comum o fundo uterino. A presença de um pólipo pode ser suspeitada pela história de sangramento uterino anormal na menopausa ou hipermenorragia na mulher que ainda menstrua (aumento da quantidade e duração do sangramento, sangramento no meio do ciclo menstrual), porém a grande maioria das mulheres não apresenta sintomas. Em mulheres na idade reprodutiva, pólipos maiores que 1,5 cm podem ser causa de abortamentos, sendo geralmente indicada a sua retirada.

O diagnóstico dos pólipos pode ser feito através de um exame ultrassonográfico transvaginal de rotina. Entretanto, em mulheres que ainda menstruam deve ser realizado preferencialmente entre o 8º e o 11º dias do ciclo menstrual. Isto porque o pólipo geralmente apresenta um aspecto branco (hiperecogênico) ao exame ultrassonográfico, podendo ser confundido com o endométrio da segunda fase do ciclo (pós-ovulatória ou secretora). O início do ciclo também não é um bom período para o seu diagnóstico, pois o endométrio está fino e pode apresentar aspecto heterogêneo em decorrência do fluxo menstrual. Já no período citado, entre o 8º e o 11º dias, o endométrio encontra-se de aspecto trilaminar e predominantemente cinza (hipoecogênico), facilitando muito a identificação do pólipo (branco). Isto pode parecer apenas um detalhe, mas faz toda a diferença no momento do exame. 

Nas mulheres na pós-menopausa, devido à falta de estímulo hormonal, o endométrio deve ser mais fino, medindo até 0,5 cm nas mulheres sem terapia de reposição hormonal (T.R.H.) e podendo atingir 0,7 cm naquelas que estão em regime de T.R.H. O diagnóstico do pólipo é suspeitado quando se observa uma área focal ou mesmo difusa de espessamento endometrial. Para se obter imagens mais elucidativas um exame de histerossonografia pode ser feito. Neste, a injeção de soro fisiológico na cavidade uterina auxilia na melhor visualização do pólipo e da superfície do endométrio. Outro exame que pode ser feito neste caso é a histeroscopia, uma espécie de endoscopia do útero, onde podem ser realizados o diagnóstico e o tratamento dos pólipos.